Na dúvida,não ultrapasse

1 Deixa um comentário

 394099_148806258574430_114879808633742_191227_1918107822_n_large


 “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” Filipenses 4.7


Todos os dias, milhares de pensamentos nos assaltam. A nossa mente é um poderoso computador, que processa milhares de informações por minuto.

Quando você está dirigindo, por exemplo, a sua mente, ao mesmo tempo, está processando a relação distância/velocidade, o ruído do motor para fazer as marchas, as informações que você está ouvindo no rádio, o anúncio escrito no outdoor, o que você terá que fazer ao chegar no trabalho, o quão bonita é a pessoa do sexo oposto que está atravessando a rua a sua frente, ... OPA!! Um sinal de alerta pode surgir na sua mente. Achar bonito alguém que não é seu cônjuge é certo ou não? Como surgiu esse pensamento? Ele foi voluntário ou não? Dúvidas e mais dúvidas nos assaltam todos os dias.
Os pensamentos podem provir de pelo menos sete fontes: (1) nossa vontade – quando voluntariamente decidimos pensar sobre alguma coisa; (2) nossos cinco sentidos – quando os pensamentos são deflagrados automaticamente pela audição, visão, tato, olfato ou paladar; (3) emoções – quando os pensamentos são disparados pelas emoções, como é o caso dos pensamentos gerados pela ira; (4) concupiscência – quando os pensamentos são gerados pelos pontos da natureza decaída tendentes ao pecado, latentes em nós; (5) reflexos – pensamentos causados pelo próprio instinto, totalmente involuntários; (6) influência do diabo – pensamentos gerados pela atuação do diabo, tal como ocorreu em relação a Jesus na tentação do deserto; (7) Deus - pensamentos gerados pelo Espírito Santo, mediante revelação.
As dúvidas sobre a procedência de nossos pensamentos são cruéis. Elas têm massacrado muitos crentes que temem a Deus e (1) são acusados pelo diabo a respeito de seus pensamentos e sentimentos ou (2) gemem debaixo da angústia da indecisão.
Em primeiro lugar, falemos sobre as acusações de Satanás. Deus não nos pune por atos involuntários. Se num ônibus superlotado, sem querer, você pisar no pé de um diabético, o pé gangrenar e a pessoa vier a morrer, nem Deus e nem os homens te condenarão por homicídio. De igual forma, acontece com os pensamentos. Deus só irá requerer de ti o que tu pensares voluntariamente. Nesse sentido, Ele diz “guarda-te não haja pensamento vil no teu coração” (Dt 15.9). Pensamento, aqui, vem da palavra hebraica “dabar”, que significa discurso, palavras, negócio, atos. Deus está falando, portanto, de planos, de planejamento. Ou seja, se, voluntariamente planejamos, se arquitetamos alguma coisa má na nossa mente, isso, para Deus, já é iniquidade, embora não seja crime perante os homens.
Porém, temos que rejeitar qualquer acusação do diabo em relação a pensamentos que nos assaltam, que invadem nossas mentes como intrusos, que entram pelas janelas sem que sejam nossos convidados.
Portanto, ser assaltado por maus pensamentos NÃO É PECADO. O que não podemos fazer é, reconhecendo a malignidade do pensamento, aceitá-lo e fazer projetos em cima dele.
Por fim, falemos sobre a luta da indecisão causada pela incerteza da procedência dos pensamentos.
As nuances e a complexidade dos nossos pensamentos são tão ricas que nós não temos capacidade de avaliá-los. Por isso, a Bíblia diz que o nosso coração nos engana (Jr 17.9).
Mas há alguns passos que podemos dar para pôr em ordem a nossa mente.
Primeiro, temos que confrontar nossos pensamentos com a palavra de Deus, pois ela “é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração” (Hb 4.12). Se o pensamento contrariar a Palavra, deverá ser rechaçado.
Em segundo lugar, se a confrontação com a Palavra não deixou claro se o pensamento procede ou não de Deus, a Bíblia nos ensina a submetê-lo ao crivo do Senhor. Fique na presença de Deus, em oração e jejum, até que ele revele a procedência de teu pensamento. Assim agia Davi: “Sonda-me, oh Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos” (Sl 139.23; v. tb. Sl 26.2). O salmista foi mais longe. Reconheceu que sequer tinha capacidade para verificar se o seu pensamento era bom ou mau. Por isso, no verso 24 do mesmo salmo, ele se desmancha na presença de Deus e clama, do fundo de sua alma: “Vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno”.
Em terceiro lugar, descanse na misericórdia de Deus e NÃO AJA enquanto não obtiver a certeza do Senhor. Na dúvida, não ultrapasse. Se agires em dúvida, condenarás a ti mesmo: “Mas aquele que tem dúvida é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo que não provém de fé é pecado” (Rm 14.23).
Descansa em Deus. Deixa que ele estabeleça os teus pensamentos. Não aceita a acusação do diabo em relação aos pensamentos e sentimentos que te são involuntários. Mas também não aja com base em sentimentos e pensamentos que te são duvidosos enquanto não obtiveres a confirmação de Deus, pela Palavra e pelo seu Espírito. 

Fonte : http://anaschimitt.com.br/pastorhumberto.com/?show=1474&bdate=201208


Volte sempre, tá?

Um comentário:

  1. Ótimo texto, me indentifiquei. Acho que sempre é bom seguir o caminho de Jesus, e deixar que ele nos mostre o caminho certo. Adorei *-*

    Beijos, momamoraes.blogspot.com s2

    ResponderExcluir

O que achou da postagem?
Lembrando que ....
- Não aceito selinhos e tags ;)
- Não participo de sorteios de maquiagens e de bijuterias
- Não irei participar de concursos no momento.